Posts Tagged ‘vida’

2 de novembro

A morte não existe pois Deus, o Pai nos criou a todos não para a morte mas para a vida eterna.

O Espiritismo ensina que não há morte, há vida. E esta não é do corpo mas do Espírito. O que se habituou o homem a chamar morte nada mais é do que o afastamento do Espírito do corpo carnal.

Quando os homens estiverem em condição de compreender o verdadeiro sentido da vida, deixarão de ver na morte uma inimiga, uma vez que não existe morte.

O Espiritismo elucida que a morte não existe, porquanto o túmulo constitui apenas uma forma de dar-se sepultamento ao corpo de carne depois que o Espírito o abandona. Os cemitérios são os laboratórios de transformação das vestes carnais (corpo), abrigo das almas (espirito)que os abandonaram.

E não é nos cemitérios que os Espíritos devem ser procurados para recebimento das preces que, em seu favor, devem ser proferidas

Os cemitérios devem ser visitados, sim, como um ambiente de respeito se ali vamos em acompanhamento ao corpo de alguém que deve ser sepultado ou se os procuramos com o objetivo sincero de meditação sobre a grandeza e sabedoria de nosso Criador e Pai.

Respeitar o sentimento e a fé dos que se fazem reter nos cemitérios em pranto e oração pelos seus “mortos” é um dever a que temos de submeter-nos por compreensão, mas em hipótese alguma devemos deixar perder-se a oportunidade (quando realmente oportuna) de esclarecer, elucidar e consolar aqueles que sofrem convencidos de que seus entes mais queridos realmente morreram, afirmando-lhes carinhosa e fraternalmente que a morte do corpo não é a morte do Espírito, e que, ao contrário, inanimado o corpo, o Espírito, agora, está mais vivo do que nunca.

Fonte: Reformador nº 1976

Anúncios

UMBANDA…complementação do meu EU!

Umbanda é, para mim, a complementação do meu EU.
É dentro do terreiro ajudando e sendo ajudada que encontro a razão maior de minha existência aqui na Terra.
É no terreiro praticando a caridade, transmitindo os conhecimentos adquiridos, tentando elucidar as dúvidas dos meus irmãos médiuns ou assistentes, levando um pouco de carinho e esperança a cada irmão que vem em busca de um simples abraço amigo ou limpeza espiritual, aprendendo a humildade, a disciplina e a paciência, no trato com meus irmão de fé, que encontro a satisfação e a alegria em pagar meus débitos, pois Oxalá foi generoso quando me permitiu fosse esta a forma de pagamento da minha divida para com Ele e todos os meus irmãos.
Umbanda é amor, caridade, perdão, humildade e o caminho ao encontro de nós mesmos em busca da paz que, um dia, por desconhecimento ou fraqueza, deixamos de merecer.
Umbanda é minha lição de vida, arrisco a dizer minha própria vida, onde procuro não só adquirir ou transmitir conhecimentos, mas vivenciar aquilo que prego e acredito.
Ninguém dá o que não tem, por isto procuro viver de acordo com tudo aquilo que prego.
 Não sou fanática…sou honesta.
Não posso pregar amor, caridade, humildade, honestidade e perdão se não os conheço e não os tenho. Se tudo que digo ou transmito for falso, Oxalá, os Orixás e meus Guardiões estarão ali para me julgar, por que nada fica escondido, sendo falsa com os outros estarei sendo comigo também.
É tentando ser justa e honesta, tendo fé e humildade que caminho em busca de minha evolução espiritual, servindo aos meus irmãos, não apenas dentro do nosso humilde terreiro, mas quando as Entidades acharem necessário minha presença.
Agradeço todos os momentos de minha vida à oportunidade que Oxalá me deu, de fazer parte do seu Exército, de permitir que este pequeno ser em evolução tivesse conhecimento da Grandeza Espiritual que se descortina aos olhos daqueles que como eu, engatinha rumo à evolução… na esperança de lapidar o espírito… para pouso em novas esferas.
Que a luz de Oxalá ilumine todos seus filhos, em todos os horizontes do mundo.
Benção meu Pai!
 

(Relcain)

Vida e felicidade!

A vida é feita de alegria e tristeza, encontro e reencontro, altos e baixos, mas nada…nada é em vão nesta vida! Precisamos conhecer a vitória e a derrota, a alegria e a tristeza, a riqueza e a pobreza, e, assim, retirar da vida os ensinamentos para crescer e evoluir. É assim que nos fortalecemos e descobrimos que dentro de nós existe um leão adormecido, mas quando atingido, luta pela sobrevivência com garras fortes e igual rugido, tão alto e seguro que as outras feras se afastam com medo.

É diante de cada derrota que levantamos mais forte e mais firmes em nossa fé.  Nosso defeito é procurar a felicidade, sempre, em algum lugar distante de nós sem nunca a colocarmos onde estamos.

A felicidade não deve ser buscada, mas, tirada de dentro de nós. Ela é um estado de espírito e habita no fundo de nós mesmos. Precisamos crescer e nós conhecer para deixar que ela se desenvolva em nosso espírito e desabroche em nossa vivência diária.

Quando conhecemos a nós mesmos, ficamos livres do egoísmo, da maldade, do apego das coisas materiais e nos tornamos pessoas melhores, capazes de aceitar os outros com os defeitos e qualidades, peculiares de cada um.

Quando nos preocupamos com o amor, o perdão, a caridade e a felicidade dos outros, tudo se volta para nós, pois, a felicidade vem do coração puro, da vontade de praticar o bem e da alegria de preencher a vida, como prazer de se realizar, sem a necessidade de manter alguém ao nosso lado sem que possua a capacidade de nos completar. A nossa felicidade vem do prazer em não depender de outro ser para obter o estágio da felicidade, designada por Deus, a todos os seres humanos.

A felicidade só nos acompanha quando estamos realizados, ai o vazio desaparece e a satisfação da realização pessoal atrai os bons fluidos da felicidade duradoura.

Raquel Elcain