OS ORIXÁS

A palavra «ORIXA» em seu original Yorubano significa guardião da cabeça e são forças da Natureza.

A força, a luz, e a energia estão em toda a parte. Os ORIXÁS constituem as forças vivas da natureza como: a agua, o vento o trovão, o relâmpago, o mar, os rios, as montanhas, a força, a luz, o arco-íris, sol e tudo que é criado pela força da natureza. Os ORIXÁS estão em plano superior aos simples mortais. Cada ORIXÁ tem sua missão especial própria e intransferível.

 Definição de Orixá na  Wikipédia, a enciclopédia livre – Na mitologia yoruba, orixás (yoruba Òrìsà; em espanhol Oricha; em inglês Orisha) são divindades ou semideuses criados pelo deus supremo Olorun. Os orixás são guardiões dos elementos da natureza e representam todos os seus domínios no aye (a realidade física em que os humanos estão inseridos segundo a tradição iorubá).
Também existem orixás intermediários entre os homens e o panteão africano que não são considerados deuses, são considerados “ancestrais divinizados após à morte”. Os orixás são cultuados em  CubaRepública DominicanaPorto RicoJamaica, GuianaTrinidad e TobagoEstados UnidosMéxicoVenezuela e Brasil.
 
Sendo os Orixás vibrações extremamente elevadas, acredita-se na Umbanda, que não é possível o contato direto com eles. Por isso cada linha de Orixá, envia para trabalhar na Terra os Falangeiros e Guias, que são entidades trabalhadoras, que vem de Aruanda ajudar seus filhos, nos livrando de demandas e transmitindo bons fluidos, formando, cada Orixá, uma falange de espíritos.
 
 Entendendo os Orixás
O planeta em que vivemos e todos os mundos dos planos materiais, se mantêm vivos através do equilíbrio entre as energias da natureza. A harmonia planetária só é possível devido a um intrincado e imenso jogo energético entre os elementos que constituem estes mundos e entre cada um dos seres vivos que habitam este planeta.
 
Orixá é energia pura em emanação, que se manifesta no universo. Um dado característico do exercício da religião de Umbanda é o uso dessas energias como fonte de trabalho. Vivendo no Planeta Terra, o homem convive com leis desde sua origem e evolução, leis que mantêm a vitalidade, a criação e a transformação, dados essenciais à vida. Sem essa harmonia energética o planeta entraria no caos.
O fogo, o ar, a terra e a água são os elementos primordiais que combinados, dão origem a tudo que nossos corpos físicos sentem. Esses elementos e suas ramificações são comandados e trabalhados por Entidades Espirituais que vão desde os Elementais (espíritos em transição atuantes no grande laboratório planetário), até aos Espíritos Superiores que inspecionam, comandam e fornecem o fluido vital para o trabalho constante de CRIAR, MANTER e TRANSFORMAR a dinâmica evolutiva da vida no Planeta Terra.
 
A esses espíritos de alta força vibratória chamamos ORIXÁS. Na Umbanda Eles são considerados os maiores responsáveis pelo equilíbrio da natureza. São espíritos de alta vibração evolutiva que cooperam diretamente com Deus, fazendo com que Suas Leis sejam cumpridas constantemente.
Orixá não é santo, nunca viveu, nunca encarnou, nunca veio à Terra, não foi uma pessoa encarnada. Mas, como toda regra tem uma exceção, na Umbanda existe um caso especial, que é Oxalá. O principal Orixá. Deus todo-poderoso, Que aparece sincretizado com Nosso Senhor Jesus Cristo, dada à sua potencialidade mediúnica divina.
Na UMBANDA (de uma maneira geral, pois existem variações referentes às diversas ramificações existentes), os Orixás são cultuados como divindades de um plano astral superior, ARUANDA,  que na Terra representam às forças da natureza.
 
Em algumas correntes Umbandistas ditas sincréticas há a associações entre Oxalá e Jesus Cristo, entre Santo Antônio e Exu, entre Santa Bárbara e Iansão, entre São Jorge e Ogum.. E isso acabou virando “uma simbiose Espiritual, uma apropriação simbólica”, em que a imagem do Santo Católico apenas representa um Orixá, mas não é o Orixá; é apenas um símbolo, uma referência material e a apropriação da data de comemoração do Santo para se louvar o Orixá. Entendendo assim, que não se “baixa” São Jorge em um terreiro, não se baixa Santa Bárbara, mas sim, o Orixá, que é representado com a imagem do Santo.
 
Orixá, dentro do culto Umbandista (de uma maneira geral) não são incorporados (não se incorpora o fogo de Xangô, os ventos de Iansã, as águas doces de Oxum). O que se vê dentro dos vários terreiros, centros, tendas etc, são os Falangeiros dos Orixás (também conhecidos como encantados); ou seja, Espíritos de grande força espiritual (de grande Luz) que trabalham sob as Ordens de um determinado Orixá.
Os Falangeiros dos Orixás não falam, não bebem, não fumam (na grande maioria dos casos), não dão consultas, e estão vinculados à casas de corrente Africana (casas de Umbanda com fundamentos como feitura, camarinha, boris, obrigações, oferendas, cortes e etc).
Os Falangeiros são os representantes dos Orixás, e, em muitos casos, a essência dos próprios Orixas manifestada nos médiuns, pois sua força é a emanação pura dos Orixás (ou como alguns dizem: são a vibração virginal dos Orixás). Sendo assim, eles podem incorporar nos médiuns, em seus “cavalos”, e mostram sua presença e sua força em nome de um Orixá. Porém, são frágeis (o médium pode perder sua sintonia muito facilmente) e exigem muito dos médiuns, não podendo permanecer por muito tempo em Terra.   Trabalham na harmonização do terreiro, afastando cargas e no desenvolvimento e equilíbrio dos médiuns.
O trabalho com os Orixás é feito com os Guias (Espíritos que já tiveram vida corpórea) chamados “Capangueiros de Orixás“, ou seja, são Guias (entidades que falam, bebem, fumam, dão consultas …) que vêm na vibração ou emanação daquele Orixá.
 
Existem casos (talvez por isso cause tanta confusão) que os médiuns não colocam a palavra caboclo na frente do nome do Capangueiro, e acaba saindo Ogum Iara, Ogum Sete Espadas, em vez de Caboclo Ogum Iara, Caboclo Ogum Sete Espadas. Isso confunde as pessoas e elas acabam achando que estão trabalhando com um Orixá, que o Orixá bebe, fuma, dá consultas etc. Porém, o que está se manifestando alí (com grande força e beleza), são Guias, são os Guias Capangueiros dos Orixás dão consultas, fumam, bebem, e falam (interagem) com os assistentes (e as casas em que trabalham, em sua grande maioria, não estão vinculados à corrente Africana diretamente).
 
Só lembrando que todos os guias (Pretos-velhos, Caboclos, Crianças, Boiadeiros, Marinheiros, Baianos, Exus / Pombogiras, …) trabalham sob as ordem de um Orixá e também podem ser considerados como “Capangueiros”. A diferença entre eles e os Guias Capangueiros dos Orixás é que eles não carregam em seus nomes o próprio nome do Orixá de trabalho.
 
Após passarem seus ensinamentos voltaram à Aruanda, mas deixaram na Terra sua essência e representatividade nas forças da natureza.
Em cada templo religioso são cultuados todos os orixás, diferenciando que nas casas grandes tem um quarto separado para cada Orixá, nas casas menores são cultuados em um único (quarto de santo) termo usado para designar o quarto onde são cultuados os orixás.
 
Um caminho que nos faz ter contato com os orixás é através da incorporação; este é o processo pelo qual a entidade se manifesta em seu filho(a) que passou pelos mais diversos rituais de iniciação.
 
Fonte:
 Wikipédia, a enciclopédia livre.
 A. B. EllisYoruba-Speaking Peoples of the Slave Coast of West Africa (1894), Chapter II, Chief Gods [em linha]
 Doutrina e Teologia de Umbanda Sagrada, Rubens Saraceni
Anúncios

2 responses to this post.

  1. Posted by Sídia Dias dos Santos on 07/06/2011 at 14:27

    É INTERESSANTE ESSE ARTIGO SOBRE OS ORIXÁS,EU FIQUEI ENCANTADA EM SABER QUE ELES SÃO SERES DE EXTREMA SUPERIORIDADE E QUE NUNCA ENCARNARAM NA TERRA…DEIXA VER SE EU ENTENDI,ELES SÃO O QUE OS ESPÍRITAS KARDECISTAS CHAMAM DE ESPÍRITOS PUROS DE ELEVADA POSIÇÃO ESPIRITUAL E QUE NÃO HÁ NECESSIDADE DE UM ENCARNE,POIS NÃO DEVEM NADA OU MELHOR SE NUNCA ENCARNARAM NUNCA DEVERAM NADA…
    É COMO JESUS CRISTO SÓ VEIO AQUI NA TERRA POR AMOR A NÓS,PRA NOS SALVAR E TENTAR NOS ESCLARECER E NOS APRESENTAR O ESPIRITISMO DE UMA FORMA MAIS ESCLARECEDORA,VISTO QUE ESPIRITISMO SEMPRE EXISTIU DESDE QUE O MUNDO É MUNDO.DAÍ A GENTE COM A NOSSA IGNORÂNCIA E COM A NOSSA FALTA DE FÉ ASSOCIAMOS ELES AOS STOS CATÓLICOS,POIS OGUM É SÃO JORGE,STA BÁRBARA É INSÃ E ETC,POIS TEMOS QUE NOS APEGAR A ALGUMA COISA,SOMOS COMO SÃO TOMÉ,TEMOS QUE VER PRA CRER…E POR AÍ VAI.
    ELES SÃO A FORÇA DIVINA QUE REGE O PLANETA E DAR A SUSTENTAÇÃO NECESSÁRIA.
    UM ABRAÇO:SÍDIA

    Responder

  2. Sídia, a diferença entre os Orixás e Oxalá (Jesus) é que os Orixás nunca encarnaram e Jesus encarnou na Terra. O sincretismo se deu devido aos negros escravos não terem a liberdade de cultuar seus Orixás na época. Com o tempo vamos estudando e você passa a entender mais. Um grande abraço.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: